A dor e a contratura muscular ao redor da mandíbula são devidas principalmente ao uso excessivo da musculatura, freqüentemente decorrent...

Dor e contratura muscular na ATM

A dor e a contratura muscular ao redor da mandíbula são devidas principalmente ao uso excessivo da musculatura, freqüentemente decorrentes de um estresse psicológico que faz com que o indivíduo aperte firmemente ou ranja os dentes (bruxismo). A maioria dos indivíduos consegue colocar as pontas dos dedos indicador, médio e anular verticalmente no espaço entre os dentes frontais superiores e inferiores sem forçar. Quando um indivíduo apresenta um problema relacionado à musculatura em torno da articulação temporomandibular, esse espaço geralmente é menor.

Sintomas

Os indivíduos com dor muscular geralmente apresentam muito pouca dor na articulação em si. Em vez disso, eles sentem dor e contratura nas porções laterais da face ao acordar ou após períodos estressantes durante o dia. A dor e a contratura são decorrentes de espasmos musculares causados pelo apertar repetido dos músculos ou dos dentes e pelo ranger dos dentes. O apertar e o ranger dos dentes durante o sono exercem muito mais força do que o ranger de dentes no estado de vigília.

Tratamento

Os indivíduos que percebem que apertam ou rangem os dentes podem tomar certas medidas para evitar esse hábito. Geralmente, a utilização de um protetor bucal constitui o tratamento principal. Uma placa plástica fina (protetor noturno) é confeccionada para a arcada dentária superior ou inferior (geralmente a superior), sendo ajustada para proporcionar uma mordida uniforme. A placa reduz o ranger de dentes diurno e noturno, permitindo que os músculos mandibulares repousem e se recuperem. Ela também pode evitar danos dos dentes que são submetidos a uma pressão excepcional devido ao ranger de dentes. O dentista pode prescrever fisioterapia, que pode consistir no tratamento com ultra-som, no biofeedback eletromiográfico, na aplicação de sprays e exercícios de alongamento ou massagem de fricção.

A estimulação nervosa elétrica transcutânea também pode ser útil. O controle do estresse, algumas vezes em conjunto com o biofeedback eletromiográfico, freqüentemente produz melhorias significativas. O dentista também pode prescrever medicamentos. Por exemplo, ele pode prescrever um miorrelaxante (relaxante muscular) para diminuir a contração e a dor, particularmente enquanto o paciente aguarda a confecção da placa. No entanto, os medicamentos não curam, geralmente não são recomendáveis para os idosos e são prescritos somente durante um breve período, em torno de um mês ou menos. Os analgésicos, como os antiinflamatórios não-esteróides (p.ex., aspirina) também aliviam a dor. Os dentistas evitam prescrever narcóticos porque essas substâncias podem levar à dependência. Os indutores do sono são utilizados ocasionalmente para ajudar aqueles que apresentam problemas para conciliar o sono devido à dor.

0 comentários:

Os melhores resultados de um tratamento são conseguidos quando atuam conjuntamente profissionais de diversas áreas. A Fisi...

Trabalho multidisciplinar na Articulação Temporo-Mandibular


Os melhores resultados de um tratamento são conseguidos quando atuam conjuntamente profissionais de diversas áreas. A Fisioterapia tornou-se parte integrante do acesso multidisciplinar no tratamento da DTM e de outras condições dolorosas orofaciais. A Fisioterapia Orofacial acrescenta à equipe uma visão conservadora e preventiva das desordens temporomandibulares e de diversas outras patologias que resultam em dor na face, cabeça ou pescoço.

Nossa proposta é atuar conjuntamente com outros profissionais para proporcionar resultados mais eficazes e satisfatórios, utilizando conceitos científicos e recursos fisioterapêuticos específicos.

Embora o fisioterapeuta especializado também esteja habilitado a avaliar o paciente de DTM e dor orofacial, atualmente são poucos os casos que chegam diretamente ao fisioterapeuta especializado, talvez pelo ainda desconhecimento da população em relação à desordem temporomandibular e ao tratamento da fisioterapia nesta área. Assim sendo, outros profissionais são procurados em busca de um diagnóstico correto e do alívio da dor.

Na maioria das vezes são pedidos exames radiográficos para avaliação do problema. Após a análise destes exames, ao fazer o encaminhamento para o tratamento da Fisioterapia Orofacial, o profissional deve sempre deixar os exames com seu paciente, para que este possa apresentá-los também ao fisioterapeuta, facilitando a avaliação clínica e a decisão das técnicas a serem usadas.

O constante contato de todos os profissionais envolvidos no caso promove um aprimoramento dos conhecimentos científicos, é fundamental para o sucesso do tratamento, além de transmitir ao paciente mais segurança no protocolo escolhido.

Odontologia

A Fisioterapia é realizada em contato contínuo com outros profissionais, principalmente da Odontologia. Juntamente com os dentistas, é realizado o tratamento de pacientes com sinais e sintomas de DTM, confirmados através de avaliação minuciosa. Freqüentemente, o dentista encaminha o paciente para a fisioterapia especializada, podendo acompanhar o caso também com recursos odontológicos ou medicamentosos, ou somente aguardar os resultados do tratamento fisioterapêutico.
Para os casos de DTM, a Fisioterapia Orofacial oferece alívio das dores na musculatura mastigatória e na articulação temporomandibular (ATM), além de melhorar a função.
Ainda que o paciente não relate dor, alguns casos, como uma hipomobilidade articular, tornam necessária a atuação da Fisioterapia Orofacial para possibilitar que sejam feitos alguns procedimentos odontológicos, como tratamento endodôntico e implantodontia.

Ortodontia

O fisioterapeuta acompanha o tratamento ortodôntico quando surgem dores na musculatura mastigatória e/ou na ATM. A Fisioterapia também pode fazer-se necessária para conduzir o correto desenvolvimento ósseo e muscular em casos de deformidades ou assimetrias.

Reumatologia

Diversas patologias reumatológicas podem afetar músculos e articulações do quarto superior do corpo. O tratamento fisioterapêutico especializado oferece um grande benefício para pacientes com fibromialgia, patologias articulares e ósseas degenerativas (como a artrose), atuando de maneira específica e/ou global. Com recursos como a laserterapia, é possível tratar especificamente a estrutura articular, favorecendo sua regeneração. Além de abolir a crise, os programas de manutenção previnem a recidiva dos sintomas, oferecendo grande conforto ao paciente.

Neurologia

Pacientes com cefaléia do tipo tensão, cefaléia cervicogênica e dores neuropáticas beneficiam-se dos efeitos analgésicos obtidos com a Fisioterapia. O tratamento conservador é vantajoso, pois dá ao paciente a possibilidade de reduzir ou abolir o uso de medicação, melhorando sua qualidade de vida e proporcionando retorno às atividades profissionais e sociais que estão comprometidas pela dor. Associado ao tratamento, o paciente realiza técnicas de relaxamento progressivo e aprende técnicas para evitar ou controlar possíveis crises.

Otorrinolaringologia

Alguns tipos de dor orofacial, como as provocadas pela sinusopatia, podem exigir a atuação conjunta da Otorrinolaringologia e da Fisioterapia, beneficiando-se das técnicas fisioterapêuticas. Os sintomas otológicos que podem ser provocados pela DTM e pela síndrome dolorosa miofascial, como dor no ouvido, zumbido e sensação de "ouvido tampado", também são tratados e acompanhados pelo fisioterapeuta especializado.
Crianças com respiração bucal beneficiam-se do tratamento fisioterapêutico para corrigir disfunções orais, favorecer o crescimento ósseo correto, recuperar a função muscular e prevenir a instalação de problemas pulmonares.

Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Cirurgia Plástica

Os recursos fisioterapêuticos aplicados anteriormente à cirurgia podem adiar a mesma ou melhorar as condições físicas e funcionais do paciente, garantindo melhores resultados pós-cirúrgicos, reduzindo o tempo de tratamento e melhorando a qualidade de vida do paciente.
A Fisioterapia Orofacial é de grande importância no pós-cirúrgico, como nos casos de trauma, neoplasia, próteses faciais, cirurgia ortognática, ou naqueles em que há envolvimento da ATM e musculatura mastigatória. O tratamento visa o alívio das dores, a redução do edema, a reabilitação das funções articular e muscular (como a mímica facial), a recuperação da sensibilidade, a melhora das cicatrizes em seu aspecto tecidual e estético, podendo evitar a necessidade de cirurgias plásticas reparadoras.
Os cirurgiões podem contar com a atuação conjunta da Fisioterapia Orofacial tanto na fase pré quanto pós-cirúrgica.

 

Quando encaminhar?

Quando o paciente apresenta alterações posturais, dores articulares, dores musculares (face e cervical), alterações na movimentação (mandibular e cervical) e alterações funcionais, está indicada uma avaliação com fisioterapeuta especializado. Há também indicação para a Fisioterapia Orofacial em caráter preventivo de todas estas condições.

Convidamos os profissionais da área de saúde para que entrem em contato conosco e questionem sobre a possibilidade e as vantagens de seu paciente iniciar o tratamento fisioterapêutico. É sabido que o tratamento iniciado ainda na fase aguda traz resultados melhores e mais rápidos. Encaminhe o seu paciente o mais rapidamente possível.

0 comentários:

Faça Fisioterapia